Simões Filho: Prefeitura amplia vacinação contra meningite tipo C – Simões Filho Fm
por Redação

Simões Filho: Prefeitura amplia vacinação contra meningite tipo C


 
 
 

A Prefeitura de Simões Filho, por meio da Secretaria da Saúde (SMS), informa que a vacina contra meningite tipo C (conjugada) foi ampliada para menores de 20 anos (19 anos, 11 meses e 29 dias) e trabalhadores da área da saúde. Além disso, a faixa etária da vacinação das crianças, com o imunizante ACWY também foi ampliada, passando a atender os jovens de 11 a 14 anos.

A iniciativa foi informada pela Secretaria da Saúde, fazendo valer as orientações do Ministério da Saúde e Sesab, a previsão é de que a ampliação da faixa etária seja mantida até fevereiro de 2023, quando a vacina voltará a ser indicada apenas para crianças com menos de 12 meses.

O imunizante segue à disposição da população nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidade de Saúde da Família (USF), de segunda a sexta-feira, em horário administrativo. Para receber a vacina, é necessário ter em mãos documento de identificação com foto, CPF, cartão do SUS e cartão de vacina.

Vale lembrar que, mesmo diante da ampliação da faixa etária, a vacinação para as crianças continua acontecendo nas Unidades de Saúde. É importante lembrar que a meningite é uma doença grave com alto índice de mortalidade. Procure a sua unidade de saúde durante o horário de vacinação e vacine-se.

 

Sobre a doença:

A meningite é uma inflamação causada por vírus e bactérias de membranas que envolvem o cérebro — meninges. Seus sintomas são: manchas vinhosas na pele; dor de cabeça forte; rigidez no pescoço; febre alta; vômitos; estado de desânimo, moleza. Ela pode ser transmitida por tosse, espirros, beijo e pela fala. Entretanto, o organismo pode desenvolver anticorpos e criar resistência à doença, o que não acontece com crianças de 6 meses a 1 ano, que ainda não desenvolveram anticorpos.

Na criança, a doença pode afetar o desenvolvimento cognitivo, motor e até apresentar síndrome epiléptica. Já entre os adultos, a taxa de mortalidade pode ser de 10%, se houver demora no tratamento.

 

 

 

ASCOM – Núcleo de Imprensa


 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *